quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

A mansão mais cara dos Estados Unidos à venda

A mansão mais cara dos Estados Unidos à venda

Propriedade em Dallas, no Texas, tem 101 mil m² e sai por US$ 135 milhõe




Reprodução
Reprodução
A mansão à venda mais cara dos Estados Unidos não está no centro da tecnologia e do cinema, São Francisco, ou na principal metrópole do país, Nova York. A mansão de US$ 135 milhões fica em Dallas, no Texas.

Com mais de 101.000 m², a propriedade tem quase 4.000 m² de espaço construído, com uma casa principal de cinco andares, uma casa de hóspedes de dois andares e uma casa com piscina de três andares.
A casa principal tem uma biblioteca com quadros italianos do século 19, uma cozinha principal com piso de manganês europeu do século 10, um bar e uma academia. Já a casa da piscina dispõe de sala de estar, cozinhas ao ar livre e interior, sala de jogos e sala de cinema, que abrange um andar inteiro. A área externa oferece ainda uma quadra de tênis exclusiva.
Os donos, o casal Thomas e Cinda Hicks, já participaram da lista da FORBES 400, em 2008, com uma fortuna de US$ 1,4 bilhão. O marido foi presidente da Hicks, empresa de private equity, e atual comandante da Hicks Holdings, além de já ter sido dono de clubes de diversos esportes como o inglês Liverpool, de futebol, o Dallas Stars, de hóquei, e o Texas Rangers, de beisebol.
O imóvel é conhecido como “Propriedade Crespi-Hicks” por causa do italiano Pio Crespi, que encomendou a casa para o arquiteto Maurice Fatio em 1943. Quando o casal comprou a mansão, há 16 anos, contratou o arquiteto Peter Marino para restaurá-la. A processo demorou quase uma década e custou cerca de US$ 100 milhões.
A poucos minutos do centro de Dallas, Mayflower, local da mansão, é a região dos moradores mais poderosos e ricos da cidade, como o ex-presidente americano George W. Bush. Segundo Candy Evans, blogueiro do ramo, as propriedades do bairro custam, em média, US$ 2 milhões por acre, o que indica que as terras da Crespi-Hicks custam US$ 50 milhões e as construções, US$ 85 milhões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário