quinta-feira, 12 de julho de 2012

A Paridade entre homens e mulheres é uma das prioridades da CUT

06/07/2012

Em artigo, presidente da CUT Nacional, Artur Henrique, defende equidade e igualdade de gênero como um direito fundamental

Escrito por: Artur Henrique


A equidade e igualdade de gênero são direitos fundamentais para a construção de um modelo de desenvolvimento, com justiça social e ambiental, combate à pobreza, geração de renda, valorização do trabalho e liberdade e autonomia sindicais.
Estamos falando em reconhecer imparcialmente os direitos de homens e mulheres e, também, em assegurar a igualdade de oportunidades para ambos os sexos. Ou seja, em garantir, sem discriminação de gênero, acesso ao mercado de trabalho, à educação, aos serviços de saúde, participação na economia e em processos decisórios nas empresas, nas entidades sindicais e de direitos das mulheres, enfim, em todas as instâncias da sociedade, inclusive nas relações interpessoais.
Esta é uma concepção da qual a CUT não abre mão. Para nós, democracia só com liberdade e igualdade de oportunidades e acesso para todos. E isso não se faz sem democratização das relações, sem a divisão do poder entre homens e mulheres que, apesar da inserção no mercado de trabalho, na política e nos meios acadêmico e sindical, ainda ocupam a maioria dos cargos subalternos.
Queremos acabar com essa subalternidade, garantir que as mulheres tenham poderes para decidir. No caso da instância sindical, desde as pautas de reivindicações de suas categorias até as formas de luta, de negociação. E a nossa central já deu vários passos em direção à democratização das relações de gênero. No movimento sindical, fomos pioneiros na discussão de temas como descriminalização do aborto e aprovação de cota mínima de gênero de 30% para os cargos de direção.
Em 2011, mais um avanço: aprovamos na 13ª Plenária Nacional a intensificação do debate sobre a participação igualitária entre homens e mulheres para os cargos de direção da Central, tanto nas instâncias estaduais quanto na nacional.
A luta pela igualdade de oportunidades é histórica e em nosso 11º Congresso Nacional da CUT, em julho, aprovaremos a paridade entre homens e mulheres nos cargos da diretoria executiva da CUT Nacional e das CUTs Estaduais. Mais um passo na caminhada pelas necessárias transformações na sociedade promovendo os direitos à igualdade, construindo novos modos de organizar a vida social para além da mercantilização e do autoritarismo do capital, consolidando um Estado da solidariedade, igualitário, orientado pelos valores do socialismo democrático.

Nenhum comentário:

Postar um comentário